SADA CRUZEIRO VENCE E SÃO JOSÉ DEIXA A COMPETIÇÃO

Deu Cruzeiro na manhã deste domingo em São José dos Campos. Apesar de toda a luta da equipe joseense – impulsionada pela torcida que compareceu em peso ao Ginásio do Tênis Clube – prevaleceu o favoritismo da equipe mineira que segue para as semifinais da Superliga 2015/2016. O jogo terminou em 3 sets a zero, com parciais de 26/28, 20/25 e 20/25.

O São José tinha uma missão quase impossível, parar o líder absoluto da competição. E com a derrota no último jogo, em Minas Gerais, o São José precisava empatar a série e levar a decisão para o confronto desempate, mas ficou na segunda rodada.

O jogo teve bons momentos para o time joseense que tentava receber melhor a bola e forçar no saque. A estratégia funcionou no primeiro set e por pouco o São José não fecha. No segundo set a cenário foi completamente outro e o time mineiro conseguiu impor seu ritmo de jogo e fechar com mais tranquilidade. No terceiro set mais uma vez o São José surpreende, chega a ficar dois pontos à frente no placar no início da etapa, mas o Sada mostra seu favoritismo, fecha o jogo e garante a vaga.

Marcelo Mendez, treinador do Sada, destacou o bom jogo da equipe e a experiência do São José. “Acho que fizemos um jogo muito bom, o São José é um time experiente e jogou bem, dificultou muito o jogo em alguns momentos. Isso foi importante e serviu também para ficarmos alertas para a próxima partida contra o Sesi. Sabemos que é um clássico e será uma batalha muito dura”, disse o comandante.

Apesar da derrota o clima na equipe joseense é de dever cumprido. O técnico Renato Soares gostou desse último jogo e postura da equipe. “O time todo está de parabéns, fez uma boa partida. Mesmo com a derrota a equipe conseguiu jogar. No primeiro set ficou bem claro que a gente poderia fazer um jogo de igual pra igual. Mas o Sada é um time sem comparações, campeão de tudo e resistir à pressão que eles colocam realmente não é fácil. Mas nosso time está de parabéns, mostrou concentração, determinação e fecha sua participação com o sentimento de dever cumprido”.

Na análise do ponteiro Diogo o time não perdeu a competição hoje, mas em jogos que poderiam ter feito a diferença durante a competição. “Perdemos hoje era natural. Na verdade nós perdemos a oportunidade no começo da temporada de vencer adversários diretos. Isso nos prejudicou e nos levou a conseguir uma classificação que nos obrigou a ter pela frente um campeão Mundial já no primeiro jogo dos playoffs. Isso diminuiu muito nossa chance de sonhar com algo mais. Nós poderíamos hoje estar jogando com um quinto, sexto, e ter a chance de colher um resultado melhor na temporada”, lamentou o ponteiro.

Sobre ser um dos destaques da equipe, entre os maiores pontuadores da Superliga, Diogo diz que preferia que a equipe tivesse ido melhor. “Eu fiz tudo o que eu podia, tenho certeza que dei meu 100%, mas isso não importa muito para mim, sinceramente. Eu preferia que a equipe tivesse ido melhor e que tivesse chegado às semifinais”, completou.

Para o oposto Lorena o projeto termina vitorioso. “Nosso projeto este ano foi muito vitorioso, todas as nossas metas foram cumpridas. Vencemos a seletiva, chegamos à final do Paulista e chegamos aos playoffs pela primeira vez, com a casa lotada, em um jogo bonito, jogando de igual pra igual contra o Cruzeiro, que é um time muito forte. Então acho que a equipe está toda de parabéns”, comemorou o craque joseense.

Iniciaram o jogo Rodriguinho, Lorena, Diogo, Polaco, Everton e Mário Júnior. Participaram Alberto, Hugo Hamacher, Lucas Salim e Matheus. Os maiores pontuadores foram com Lorena 11 e Diogo 7.

O jogo
O jogo começa com a equipe do Sada à frente, mas aos poucos o São José melhora o desempenho e aproxima (6×7). No primeiro tempo técnico a diferença é de apenas 2 pontos (6×8). Na volta o São José erra mais e os mineiros ampliam (7×10). Mas de novo a equipe joseense se mostra viva na partida (10×12), (11×12), e empata (12×12). A torcida se inflama! Albertão vai pro saque e é Ace! Sada pede tempo e São José está à frente (13×12), pela primeira vez no set. O São José demonstra muita garra, o jogo é muito disputado e o São José está mais uma vez está à frente (15×14). Polaco vai pro saque e faz o seu Ace (17×16). E tem mais ace, agora com Everton (19×17). O São José passa a gostar do jogo (19×18), (20×18) até o empate em (20×20). Aí o técnico Renato Soares pede tempo. Na volta Leal erra (21×20), depois Isac (22×21). São José demonstra muita raça em bolas praticamente indefensáveis (22×22) e no ataque de Polaco pra fora o técnico joseense para o jogo. (22×23). Na volta, Polaco mesmo conserta explorando o bloqueio (23×23). Everton na bola curta (24×24), (25×24). São José tem o match point e Sada pede tempo. Momento de muita expectativa, a torcida, canta, vibra, empurra o time, (26×26) mas agora quem pode finalizar é o Sada, que fecha em (26×28) e, 33 minutos de jogo.

Na segunda etapa o Sada abre o placar com uma deixadinha de Walace. Lorena ataca na saída de rede. Diogo vai pro saque e vem com Lorena de novo na saída de rede. São José passa (3X2). O jogo tem rali e a torcida faz seu papel. Lorena sai para entrar Alemão. São José tem problemas com a recepção, a equipe mineira abre (3×6) e o técnico joseense para o jogo. Desta vez Sada abre a maior vantagem do jogo (3×7). Hugo está em quadra mas é no bloc do Everton que a bola para. (5×7). Alemão fica no bloqueio e a vantagem mineira cresce (5×9). Mas Everton faz o dele na rede, o Sada erra e o São José se aproxima (7×9). Mais uma vez Sada cresce (8×13). Tem bloc triplo com Diogo, Alemão e Everton (10×14), (11×14). E no segundo tempo técnico o placar marca (11×16), (11×18) e o comandante joseense para o jogo para arrumar a casa. Na volta tem Alberto no bloc (13×19) e Ace de Diogo (14×19), (16×20), (16×21), (17×22) e na pancada de Diogo cai a bola e a diferença (18×22). O Sada vai para o match point (18×24) mas Alemão usa a sutileza da deixadinha para ter mais um respiro (19×24). Kandango vai pro saque, Sada erra. De novo Kandango com sua flutuante (20×24), mas o Sada arremata. Final de set: 20 x 25, em 26 minutos de jogo.

O terceiro set tem início acirrado, as equipes trocam pontos (5×5). São José está vivo na partida, demonstra muita garra e abre vantagem (7×2), (8×7) e as equipes vão para o primeiro tempo técnico com o São José na dianteira. Os joseenses levantam a torcida em (9×8, 10×8) e tentam segurar de todas as formas a equipe de Minas que não deixa por menos e passa (10×11). Brunão está em quadra e ele mesmo pelo meio empata a partida (11×11). Leal vai pro saque e aplica o seu ace (11×13). Diogo vira para o São José (12×13), mas saca pra fora. (12×14). Brunão fica no bloqueio (12×15), Brunão devolve e para Walace no bloc com Hugo (13×15). As equipes vão para o segundo tempo técnico. O placar passa a ser favorável para o Sada (14×18), mas os joseenses se empenham e diminuem (17×18). Kandango e deixa de novo no chão (18×20), (19×21). O técnico Renato Soares chama, mas o Sada não quer saber de brincadeira, coloca pressão e no erro de saque do Diogo o Sada fecha. (20×25) em 25 minutos de jogo.

Elenco
Central: Alberto, Everton, Brunão, Junior e Gladstone | Oposto: Lorena, Alemão | Ponteiro: Diogo, Hugo Hamacher, Cristian Poglajen, Eduardo Bidá | Levantador: Rodriguinho, Lucas Salim | Líbero: Mario Junior, Matheus Oliveira | Técnico: Renato Jr. (Banana) | Auxiliar Técnico: Fabrízio Capello | Estatístico: Dênis Cabral

São José Vôlei
O São José Vôlei é uma equipe de alto rendimento que disputou a Superliga 2014/2015, depois de conquistar a vaga com o título da Superliga B 2014. A vaga na Superliga 2015/2016 foi conquistada em seletiva com outras quatro equipes, disputa em que o São José Vôlei sagrou-se campeão.
A maior parte dos recursos para manutenção da equipe é proveniente da Prefeitura de São José dos Campos. Outra parte, derivada de empresas apoiadoras como Colégio e Curso Poliedro, por meio da Lei de Incentivo Fiscal – LIF.
Hoje o São José Vôlei executa um plano estratégico de marketing e negócios que prevê captação de patrocínio e implantação de ações que eleve sua autonomia com recursos privados em pelo menos 50% para a temporada 2015/2016 e alcance 100% na temporada 2016/2017.